Rádio Difusora

(45) 9-9997-0532
23/04/2019 10:36 | Autor: Editor
Fonte: Cristiano Marlon Viteck / Assessoria

Medida do Governo Federal pode inviabilizar ações do Sesc e Senac

Corte no repasse de recursos pode chegar a 50%

A sessão de ontem (22) da Câmara de Vereadores de Marechal Cândido Rondon foi marcada pelo alerta feito pelo presidente do Sindicomar (Sindicato do Comércio Varejista) e representante da Fecomércio-PR (Federação do Comércio) no município, Ademar Bayer.

Ele utilizou a Tribuna Popular para pedir apoio dos vereadores para que cobrem dos deputados federais e senadores uma posição contrária ao Governo Federal, que pretende cortar de 30% a 50% dos recursos que são destinados ao “Sistema S”, do qual fazem parte o Sesc, Senac, Sesi, Senai, Sebrae, Senar, Sest, Senat e Sescoop.

“O Sistema S pede socorro”, afirmou.

Conforme Bayer – que destacou principalmente as ações do Sesc (Serviço Social do Comércio) e Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) em Marechal Cândido Rondon – caso seja aprovada proposta defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, parte das atividades destas entidades ficarão inviabilizadas.

Sistema S

Surgido a partir de 1942, o “Sistema S” tem como objetivos principais capacitar e melhorar a qualidade da mão de obra do comércio, da indústria e das atividades rurais, atuando ainda em setores como a educação, saúde, cultura, lazer e esporte.

Os recursos que sustentam essas entidades, geridas pelo setor privado, vêm de dotações financeiras destinadas pelas empresas ao financiamento da educação e profissionalização do trabalhador. Parte dos valores tem origem em contribuição compulsória de 2,5% sobre a folha de pagamento das empresas.

A ideia do Ministério da Economia é cortar quase pela metade os recursos dessa fonte que são repassados ao “Sistema S”.

Em nota emitida no início deste ano, a Fecomércio-PR já demonstrava preocupação com a intenção do Governo Federal. No documento, a entidade afirma que “o ‘Sistema S’ vem sendo alvo de críticas e ameaças que colocam em risco o seu futuro. Não resta dúvida quanto à necessidade de se reduzir impostos, mas é preciso, antes de qualquer decisão drástica, ponderar sobre o real valor dessas instituições para a sociedade brasileira”.

Para a Fecomércio-PR, a redução destes recursos resultaria em imensos prejuízos e iria na contramão da capacitação do trabalhador e da geração de emprego e renda. Na mesma nota, a entidade afirma que os maiores prejudicados seriam os jovens de baixa renda, “que encontram nos cursos e ações oferecidos pelas entidades do Sistema a única oportunidade de ter uma formação para entrar no mercado de trabalho”.

R$ 5 milhões

Durante manifestação na Tribuna, Ademar Bayer apresentou números que revelam a importância do Sesc e do Senac para Marechal Cândido Rondon. Juntas, estas duas entidades injetam diretamente cerca de R$ 5 milhões na economia do município. São recursos que vêm de fora para manter as duas unidades, cabendo ao Sesc aproximadamente R$ 3,2 milhões e, ao Senac, mais R$ 1,8 milhão.

Inaugurada em 02 de abril de 1993, a unidade rondonense do Sesc conta hoje com 32 funcionários. Com uma área de atuação que abrange 10 municípios da região, somente no ano passado ela atendeu cerca de 10 mil clientes. Em seu restaurante foram servidas 36 mil refeições e 5 mil crianças foram atendidas em atividades de contraturno escolar. Além disso, foram desenvolvidos projetos diversos na área de saúde, esporte, recreação e lazer, tanto por iniciativa do próprio Sesc como em parceria com outras entidades locais.

Por sua vez, a unidade do Senac foi inaugurada em 26 de maio de 2014. Com 17 funcionários, em 2018 foram realizados diversos cursos de formação profissional, capacitação e aperfeiçoamento, que beneficiaram a 3.617 alunos.

De acordo com Bayer, estas entidades e as demais ligadas ao “Sistema S” são dignas de respeito e confiança da população, pois aplicam corretamente seus recursos, beneficiando diretamente as comunidades onde atuam.

Em suas manifestações, os vereadores declararam apoio à reivindicação apresentada e asseguraram o empenho do Poder Legislativo Municipal na cobrança dos representantes políticos da região em Brasília para que sejam contrários à proposta de corte de repasses ao “Sistema S”.