Rádio Difusora

(45) 9-9997-0532
18/02/2019 15:13 | Autor: Editor
Fonte: Globo Rural

Tilápia leva piscicultura brasileira a R$ 5 bilhões de faturamento

Setor cresceu 4,5% em 2018 e a expectativa para 2019 é acelerar o ritmo e chegar a 10% de expansão no geral e 15% na espécie mais cultivada no Brasil

Puxada pela tilápia, a piscicultura brasileira produziu 4,5% a mais em 2018 na comparação com 2017. O volume foi de 722,560 mil toneladas. O faturamento do setor cresceu na mesma proporção e chegou a R$ 5,067 bilhões. Desde 2014, quando foram produzidas 578,800 mil toneladas, a cadeia produtiva acumula uma expansão de 24,83%.

Os números são da Associação Brasileira de Piscicultura (PeixeBR). Na última sexta-feira (15/2), a entidade lançou, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o Anuário Brasileiro da Piscicultura 2019, que tem como base os dados do ano passado, em evento com participação de representantes da cadeia produtiva, instituições de pesquisa e do secretário nacional de Pesca e Aquicultura do Ministério da Agricultura, Jorge Seif Júnior.

O relatório mostra que a produção expandiu no Sul (+11,3%), que manteve a liderança no ranking nacional, Sudeste (+7,6%) e Nordeste (+20,6%) em 2018. Já nas regiões Norte e Centro-oeste, houve retração de 7% e de 7,8%, respectivamente.

“Foi um resultado bom para um ano com economia cheia de incertezas, problemas políticos e econômicos, greve dos caminhoneiros”, avaliou o presidente executivo da PeixeBR, Francisco Medeiros.

Só de tilápias, o Brasil produziu 11,9% a mais em 2018, 400,280 mil toneladas. O Paraná, líder do ranking nacional da espécie, colocou 123 mil toneladas no mercado. Segundo no ranking, São Paulo contabilizou 69,500 mil. Santa Catarina, o terceiro, 33,800 mil toneladas.

“O crescimento na tilápia é significativo e creio que, nos próximos anos, será ainda maior. Vemos uma manutenção da tendência de anos anteriores nesse mercado”, afirmou Medeiros.

O Brasil é o quarto maior produtor mundial de tilápia, atrás de China, Egito e Indonésia. Se o resultado no segmento é comemorado pelos piscicultores, a situação é diferente nos chamados peixes nativos, em que a produção caiu 4,7%. Foram 302,235 mil toneladas em 2017 e 287,910 mil em 2018.

Entre as causas citadas para a queda na produção, estão problemas climáticos, sanitários e de mercado em importantes regiões produtoras. Com o desempenho negativo, a participação do segmento – liderado pelo tambaqui - caiu de 43,7% no ano retrasado para 39,84% no ano passado.

“O setor de piscicultura tem que tentar resolver os problemas dos peixes nativos. Não só os técnicos, mas os de mercado. Não estamos conseguindo avançar no mercado interno, onde as pessoas já comem peixe. Por algum motivo, o tambaqui não está despertando interesse”, lamentou Medeiros.

A PeixeBR revela produção maior de peixes menos representativos no mercado nacional, como carpa, truta e panga. Neste segmento, a expansão foi de 8%, com o volume passando de 31,825 mil toneladas em 2017 para 34,370 mil em 2018. A entidade vê potencial de expansão do segmento a médio prazo.

Balança comercial negativa
As exportações de peixes frescos, resfriados e congelados passaram de 33,400 mil toneladas em 2017 para 32,417 mil no ano passado, uma retração de 2,94%, de acordo com a Associação. Mas a receita dos exportadores aumentou 9,14%, de US$ 124,6 milhões para US$ 136 milhões.

“O mercado interno vinha pagando melhor e o setor direcionou a produção. As exportações continuaram pequenas, mas precisamos aumentar, incrementar a política externa do setor produtivo”, defendeu o presidente da entidade.

Carro-chefe da produção nacional, a tilápia foi também o principal peixe de cultivo exportado no ano passado. Só para os Estados Unidos, principal consumidor mundial da espécie, os embarques somaram 700 toneladas, gerando uma receita de US$ 5,5 milhões.

“Houve uma redução nos preços pagos pelo filé, mas o câmbio acabou compensando. O mercado externo, para quem estava pronto, foi ótimo”, analisou o presidente executivo da PeixeBR.

As importações de peixe fresco, congelado e resfriado foram menores entre 2017 e 2018, mas os números ainda mostram o tamanho do desequilíbrio na balança comercial do setor. O volume comprado pelo Brasil caiu de 335 mil para 295 mil toneladas e o valor, de US$ 1,071 bilhão para US$ 1,032 bilhão.

Acelerar o crescimento
Para este ano, a expectativa da PeixeBr é de crescer em um ritmo maior que o de 2018, podendo chegar a 10% no geral. Só na tilápia, a expansão deve ser de 15%. A entidade acredita também na recuperação do mercado de peixes nativos, cuja produção é liderada por Rondônia, Roraima e Pará.

“Esperamos quebrar a barreira dos dois dígitos em 2019. Houve um aprimoramento da distribuição e a entrada de cooperativas e indústrias de outras proteínas no mercado, que trouxe uma pressão de vendas. Estamos também reforçando nossas ações no mercado externo”, explicou Medeiros.

Ele disse acreditar que, até 2022, o setor esteja registrando taxas de crescimento em torno de 20% ao ano. Explicou que a participação dos peixes de cultivo no consumo está em torno de 3,7 quilos por habitante ao ano. Para chegar ao nível esperado de expansão para daqui três anos, bastaria acrescentar 300 gramas anuais no prato.

“Trabalhamos por um crescimento entre 20% e 25% ao ano nos próximos anos, que é o que toda a indústria consegue absorver”, analisou o executivo.

Curte o conteúdo da Globo Rural? Ele também está no Globo Mais. Nesse aplicativo você tem acesso a um conteúdo exclusivo e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.