Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
19/11/2018 14:55 | Autor: Editor

Ferrugem asiática encarecerá custos de produção na safra 2018/2019

Focos do fungo da ferrugem asiática da soja estão pipocando em maior número e mais cedo neste ano no Brasil, na esteira do plantio da oleaginosa mais rápido da história, o que indica a possibilidade de maiores custos para produtores controlarem a doença na safra 2018/19.


Clima favorece surgimento da doença e produtor precisa ficar atento

Além disso, segundo a Embrapa Soja, diante de uma maior presença da doença, o setor pode ficar mais sujeito a perdas pela ferrugem, caso erre nas aplicações.
A pesquisadora Claudine Seixas, da unidade especializada em soja da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em Londrina menciona que a ferrugem da soja é a doença que mais exige investimentos dos agricultores e ao todo, o custo com o fungo gira em torno de 2 bilhões de dólares por ano, sendo a maior parte em gastos com aplicações de fungicidas e uma fatia menor de perdas de produtividade.
Até o momento, o chamado consórcio antiferrugem, uma parceria público-privada que envolve pesquisadores, já registrou 17 focos da ferrugem em áreas de cultivo comerciais, enquanto no mesmo período do ano passado havia somente uma ocorrência.
A maior pressão da ferrugem no Brasil, maior exportador mundial, acontece em uma safra em que os Estados do Sul estão sendo atingidos por mais chuvas, em meio indicações de desenvolvimento do fenômeno climático El Niño, que traz mais umidade para tais regiões.
O fungo avança com mais facilidade em anos mais chuvosos e quentes e no ano passado, ao contrário, a semeadura foi mais lenta especialmente no Paraná, segundo Estado produtor brasileiro, por conta de uma seca em setembro.
Este ano choveu bem mais cedo e também as chuvas foram muito acima da média o que fez ocorrer uma reversão no ritmo de plantio, que passou a ficar mais lento.
No Paraná, que concentra os casos de ferrugem, com 13 focos, um deles numa lavoura de Porto Mendes, as precipitações ficarão praticamente dentro da média em parte do Estado e acima do histórico em outras regiões.
O plantio da soja 2018/19 no Brasil chegou a 82 por cento da área total até o final de semana, um avanço de 11 pontos percentuais ante a semana passada, mantendo o ritmo como o mais rápido já registrado.
A safra está à frente dos 73 por cento no ano passado e dos 67 por cento na média de cinco anos, segundo a consultoria.