Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
10/08/2017 15:49 | Autor: Editor

Vereador quer tornar obrigatória a execução de hinos nas escolas rondonenses

O vereador Arion Nasihgil apresentou na sessão desta semana da Câmara, o projeto de lei, que prevê a obrigatoriedade da execução dos hinos Nacional e Municipal, na íntegra, nas escolas públicas e privadas de Marechal Cândido Rondon, ficando facultativa a execução do Hino do Paraná.

Em um país marcado por crises éticas, políticas e onde a desigualdade social ainda é crescente, o amor à pátria, independentemente de suas falhas, é um sentimento que precisa ser nutrido, justifica o vereador Arion.

Conforme a proposta, a obrigatoriedade da execução dos hinos é válida para as seguintes datas cívicas, caso haja atividades nos educandários: 22 de abril, Dia do Descobrimento do Brasil; em 25 de julho, data de emancipação de Marechal Cândido Rondon; 15 de novembro, dia da Proclamação da República; e em todos os dias da Semana da Pátria, quando se comemora a Independência do Brasil, ocorrida em 7 de setembro.

O projeto de lei estabelece ainda, entre outros itens, que a execução dos hinos deverá ocorrer antes do início das aulas e, se possível, ser acompanhada do hasteamento das bandeiras do Brasil e de Marechal Cândido Rondon.

O ato deverá será realizado de modo solene, em conjunto com todos os alunos e professores, coordenadores e diretores, os quais farão manter a ordem e o respeito, bem como buscarão transmitir aos educandos os sentimentos de civismo, democracia, cidadania e amor à pátria e ao município.

Além disso, nas datas cívicas abrangidas na proposta de lei, os professores, sempre que possível, devem usar parte das aulas para abordar com os alunos o teor e o significado das letras dos hinos mencionados, incentivando a leitura, compreensão e aprendizado.

Segundo Arion , para que as crianças cresçam com uma consciência de responsabilidade com o país é preciso oferecer um suporte adequado e, para isso, os valores fundamentais para se constituir um cidadão devem ser transmitidos.

Após lido em plenário, o projeto de lei foi baixado para as análises das Comissões de Justiça e Redação e de Educação, Cultura, Saúde, Bem-Estar Social e Ecologia.

Após a elaboração dos devidos pareceres, o projeto será votado pelos vereadores.