Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
27/07/2017 14:22 | Autor: Editor

Reajuste no preço dos combustíveis pode causar 26 mil demissões no Paraná

A Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Paraná avaliou que o reajuste dos combustíveis pode causar 26 mil demissões no setor, o que representa 10% da mão de obra empregada no Estado.

A previsão é da Federação das Empresas de Transporte de Cargas

Segundo o presidente da Fetranspar, Sérgio Malucelli. a tendência é de demissões, pois o aumento foi muito abrupto e o governo quer passar o ônus de sua incompetência para o empresariado e o setor produtivo.

Na semana passada, o governo subiu a alíquota do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), o que fez o preço nas bombas subir já na sexta-feira passada.
Em Curitiba a gasolina aumentou mais de R$ 0,40 o litro, semelhante ao preço do diesel.
Na terça-feira um juiz federal derrubou o aumento mas, ontem, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com sede em Brasília, anulou a decisão que suspendeu o aumento.
Conforme Malucelli, antes do reajuste o óleo diesel representava 40% do custo operacional do transporte de cargas.
Com o aumento, o custo pode subir até 4%: o reajuste vai impactar nos custos para o cidadão, vai desaguar no supermercado, no preço do alimento para o consumidor.
O dirigente menciona que o transportador não suporta mais essas altas e as tarifas impostas ao setor produtivo.
A decisão de ontem, do desembargador Hilton Queiroz, presidente do TRF1, atendeu a um recurso da Advocacia-Geral da União contra a suspensão do reajuste.
No recurso, a AGU informou à Justiça que a liminar impedia que o governo federal arrecade diariamente R$ 78 milhões.
O desembargador entendeu que a liminar proferida pelo juiz gera “grave lesão à ordem econômica, principalmente, em um momento de crise econômica no país”.
Mais cedo, antes da decisão que derrubou a cobrança, o juiz Renato Borelli cobrou da Agência Nacional do Petróleo o cumprimento de sua decisão e fixou multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.