Rádio Difusora

(45) 9-9841-0044
03/03/2016 15:09 | Autor: Editor
Fonte: G1

Agropecuária freia queda, e PIB do Paraná tem retração de 2,8% em 2015

Foto:Divulgação/Sistema FAEP

No Brasil o PIB encolheu 3,8%, de acordo com dados divulgados pelo IBGE.
Safra de grãos e produção de carne foram pontos positivos no Paraná.


O Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná, que a somatória de toda a riqueza produzida pelo estado, caiu 2,8% em 2015.

De acordo com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), a retração não foi maior graças aos resultados do setor agropecuário que cresceu 4,4%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (3).

O PIB nacional encolheu 3,8%, segundo dados de 3,8% em relação a 2014, foi a maior da série histórica atual do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 1996. O desempenho é o pior desde 1990, quando o recuo chegou a 4,3%.

Segundo o Ipardes, o resultado da indústria foi o que mais influi para a queda do PIB. O recuo do setor foi de 2% em 2015.

Em sentido oposto, a agropecuária apresentou bom desempenho em virtude da safra recorde de grãos e do crescimento da produção de carnes.

No último trimestre ano, o quadro econômico se agravou. O recuo no estado foi de 5,8%, em relação ao mesmo período de 2014.
O destaque negativo ficou com a indústria que registrou retração de 12,6% e com o segmento de serviços, que encolheu 3,6%.

Cenário nacional

Um desempenho mais positivo da agropecuária e dados ruins na industria também foram verificados no cenário nacional.

Entre os setores da economia analisados para o cálculo do PIB, apenas a agropecuária cresceu em 2015. A alta foi de 1,8% em relação ao ano anterior, sob influência da soja e do milho.

Já a indústria amargou uma queda de 6,2%, puxada pela retração de quase 8% do setor de construção. Além da construção, a indústria de transformação recuou 9,7%, influenciada pela redução, em volume, dos segmentos de veículos, de máquinas e equipamentos e de aparelhos eletroeletrônicos.

O recuo poderia ser maior se a indústria extrativa mineral não tivesse colaborado positivamente. O aumento da extração de petróleo, gás natural e minérios ferrosos ajudou a suavizar o tombo.

O setor de serviços, que sempre respondeu por boa parte do PIB, recuou 2,7%, a maior baixa desde 1996, porque o comércio, forte em outros anos, mostrou uma diminuição de 8,9%.